CUIABÁ

TECNOLOGIA

Amazon demonstra Alexa imitando vozes de parentes mortos; assista

Publicados

TECNOLOGIA

source
Alexa pode imitar vozes de pessoas que morreram
Divulgação/Amazon

Alexa pode imitar vozes de pessoas que morreram

A Amazon revelou nesta quarta-feira (22) uma tecnologia que vem desenvolvendo para a assistente de voz Alexa: a capacidade de imitar as vozes de pessoas falecidas.

O recurso foi demonstrado durante a conferência anual MARS, que acontece nesta semana. Na demonstração, a Alexa lê um livro para uma criança com a voz de sua falecida avó. Assista:

“Embora a inteligência artificial não possa eliminar a dor da perda, ela pode definitivamente fazer suas memórias durarem”, afirmou Rohit Prasad, cientista-chefe da Amazon para Alexa AI.

De acordo com a Amazon, a inteligência artificial pode aprender a imitar a voz de um ente querido falecido ao escutar apenas um minuto de áudio desta pessoa falando.

Por enquanto, a empresa apenas demonstrou a tecnologia, que ainda está em desenvolvimento. Não foi confirmado se ela chegará comercialmente aos usuários da Alexa, e nem quando isso poderia acontecer.

Leia Também:  PS+ Extra e Premium: surgem os preços do Game Pass da Sony

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

TECNOLOGIA

WhatsApp será usado por Defesa Civil para enviar alertas de desastres

Publicados

em

Por

WhatsApp receberá alertas de desastres
Unsplash/Mourizal Zativa

WhatsApp receberá alertas de desastres

O governo federal vai recorrer à tecnologia para tentar proteger vidas durante desastres. Em uma parceria anunciada nesta quarta-feira (29), o Ministério do Desenvolvimento Regional se juntou ao WhatsApp e à empresa de atendimento Robbu para criar um sistema de alertas de desastres por meio do mensageiro. A iniciativa estará disponível em todo o Brasil.

Daniel Ferreira, ministro do Desenvolvimento Regional, assinou o Acordo de Cooperação Técnica (ACT) para dar continuidade ao desenvolvimento do projeto. A ferramenta deve estar disponível em no máximo 60 dias.

O cidadão precisará se cadastrar usando um número, link ou código. As demais etapas serão guiadas por um chatbot. Depois, o usuário poderá compartilhar sua localização ou fornecer outra de seu interesse.

Assim, ele receberá alertas para aquela região, dicas para se proteger e como sair do local caso haja um desastre. Até mesmo avisos de outros estados poderão ser enviados.

As informações serão fornecidas por municípios e estados, que ficam responsáveis por avaliar e transmitir os alertas de risco. A ideia é que situações como deslizamentos de terra, alagamentos e chuvas de granizo sejam avisadas aos moradores.

Leia Também:  Hacker rouba quase R$ 9 milhões em NFTs da plataforma OpenSea

Defesa Civil usa SMS, Google e Telegram

O WhatsApp é um dos apps mais utilizados e presentes nos smartphones dos brasileiros. Faz todo o sentido recorrer a ele para alertas.

Atualmente, a Defesa Civil envia este tipo de mensagem por outros meios. O órgão conta com a Interface de Divulgação de Alertas Públicos (Idap), que se conecta a vários canais.

Um deles é o SMS, presente há décadas nos celulares. Para se cadastrar, é preciso enviar uma mensagem com o CEP da sua residência (ou do local de seu interesse) para o número 40199.

O governo também conta com um  bot no Telegram para enviar os alertas. Basta compartilhar a localização para receber a situação atual e se cadastrar para anúncios futuros.

A parceria mais recente foi firmada com o Google, no começo de junho de 2022. Com ela, buscas com palavras-chave relacionadas a desastres retornam alertas da Defesa Civil. O Google Maps também passou a apresentar essas informações ao navegar por uma região afetada.

Leia Também:  Intel anuncia "processador mais rápido do mundo", que chega a 5,5 GHz

Até mesmo as TVs por assinatura estão ligadas ao Idap. Desde 2019, elas podem transmitir alertas através de uma mensagem pop-up na tela.

Fonte: IG TECNOLOGIA

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

MATO GROSSO

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA